domingo, abril 17, 2011

Inconstante Coração


Sou aquela que guarda o teu segredo, fingindo saber a tua aparente razão e o teu sentimento oculto.
Me revelas, me sondas, procuras por palavras inestimáveis, tu falas coisas controversas, queres algo que não posso te dar. Não posso porque não quero, porque finjo que tenho aos teus olhos.
Tu me fazes mentir, descarto defeitos em mim mesma pra te agradar, mudo de fase e te perturbo, sou tua insonia. Te alucino com a perfeita convicção de uma ilusão passageira, traiçoeira, intrigante e sedutora. Omito os meus mitos e as minhas verdades, me escondo em tua sombra, debaixo de tuas asas, só tu me conheces bem.

Tenho medo dos teus olhos, desse paraíso profundo que penetrei, um caminho sem volta. Neste confronto,  aparência e força não ditam quem vencerá. Entre eu e você, escolheria teu coração, porque eu não viveria sem ele. Tua voz não mais me cala, nem teu cheiro me sufoca, tuas mãos encarecidamente apertam as minhas, teus braços me envolvem e tua cabeça encosta-se em meu ombro. O carinho que quero te dar não posso, não me aflijas com perguntas, nem chegue tão perto, não quero pensar na possibilidade de te machucar com palavras. Não se afaste, estabeleça um intervalo entre nós, onde a dor seja suportável e até reconfortante e me faça lembrar que um dia fomos dois corpos em uma alma. Seja minha lembrança na foto embaçada, não esqueça da nossa canção, diga que fomos felizes até nas nossas brigas e tente me fazer acreditar em tudo isso antes que eu te diga adeus.

sexta-feira, abril 08, 2011

Remembrance's of me


Mesmo aquela briga com um irmão, ou o sermão dos pais, está tudo cravado aqui, e sinto falta disso.
Sinto falta dos sonhos que eu tinha, das lembranças de coisas que nunca aconteceram, mas que eu idealizava e protegia com a minha vida. Eu queria ser a cantora, tipo Beyoncé, Madonna.. Aquela mais famosa, que todos caem aos seus pés. Ficava me imaginando em um show com mais de um milhão de pessoas, sobre a cama de minha mãe, com uma escova na mão.
Desenhei inúmeras vezes sonhos bobos, o Mickey Mouse e o Donald, corri com meus irmãos atras do meu cachorro, joguei bola na rua e apertei a campainha dos vizinhos, o Homem-Aranha era o meu herói. Uma vez perdi meu gato, pobre coitado, só Deus sabe se sobreviveu, sozinho, neste mundo tão cruel. Nunca morei em um zoológico, mas, tive vários animais domésticos.
Hoje, o garoto de quem fui afim nos meus tempos de moleca, gosta de mim, só que eu não sinto mais o mesmo por ele.
Eu sonhei em mudar o mundo, acabar com as diferenças, injustiças e corações partidos.
Eu ainda quero sonhar, quero me livrar desse peso, que cega a minha mente e me tira as forças, é algo mais forte do que eu, mas, eu sei que existe algo ainda mais forte, que me faz viver e me ajuda em todos os momentos: DEUS, sem Ele eu não estaria aqui.


Minha alma repousa em calma, em frustações, não perdida, porém desorientada, precisando de uma mão amiga. Se for levar em conta, não sou a única desorientada por aqui, nesse intervalo de risos e choros que é o mundo.
Teu sorriso me tras paz, me alegra os dias, mas, também tras desespero e agonia, pois não posso ter-te ao meu lado. É uma felicidade temporária, instantânea, não quero isso, ou é pra ser, ou não é. Não te quero mais.

Acordo todos os dias com um olhar de menina, sugerindo soluções, discutindo relações e não tão certa que a verdade cabe na palma da mão, é algo maior, mais do que qualquer um imagina.
Meu cachorro morreu e o gato não está mais aqui, o amor do garoto? Já fui muito afim dele, isso ainda está aqui dentro? Isso eu sinceramente não sei, tenho muitas dúvidas se quero começar um romance misterioso, duvidoso e confuso ao meu ver. Tô afim de paz, socego e água fresca. Quando eu estiver em um de meus ataques de nervos, mergulho mais uma vez de cabeça em uma paixão, e essa será para sempre. Quem sabe?
O pra sempre sempre acaba.